segunda-feira, fevereiro 28, 2005

O primeiro já está

José Mourinho ganhou o primeiro troféu como treinador do Chelsea. Mereceu-o, naquele que foi um grande jogo e no qual o português experimentou um pouco do seu próprio remédio: marcar cedo para depois controlar o jogo defensivamente. Com alguma sorte, a vitória sorriu-lhe.

Mas um dos factos mais marcantes do jogo foi a expulsão de Mourinho do banco, não pela equipa de arbitragem, mas pela polícia! É que, nos festejos do primeiro golo, Mourinho levou o dedo à boca, num gesto para, segundo ele, calar a imprensa britânica. A polícia (e a maior parte daquele que viram o jogo, penso eu) não entedeu assim e pensou que ele mandava calar os adeptos do Liverpool que estavam, com certeza, a azucrinar-lhe a cabeça desde o príncipio do jogo, visto estarem a escassos metros dele. Temendo um crescente incentivo à violência dos adeptos, os polícias convidaram Mourinho a abandonar o banco. Em Portugal teria sido desnecessário esta atitude porque, a essa distância do campo, a violência já tinha sido despoletada à muito tempo!

É outra maneira de estar num campo de futebol, algo que nós, com o sangue latino a fervilhar-nos nas veias, nunca conseguiríamos apreender. Infelizmente. Para não falar na atitude das autoridades, essa sim de louvar.

Carlos Barrocas