sábado, julho 08, 2006

É por estas e por outras que é triste o Expresso só valha a pena por pérolas destas:

Basta passear pelo país para entender como a paisagem foi vandalizada, democraticamente vandalizada, por essa glória de Abril que dá pelo nome de «poder autárquico». Uma história sem retorno. Ou, melhor, retorno até há. Mas não existe dinamite que chegue para um serviço completo.

Por João Pereira Coutinho - quem mais? Pena é que a minha assinatura online do Expresso já esteja a fazer tijolo há muito tempo. Enfim. Não é que este pequeno trecho me trouxe logo à cabeça o lendário "chaparro mecânico" que povoa, solitário, a rotunda de Odemira? (note-se que Odemira apenas tem uma rotunda digna desse nome, ao contrário da maior parte das santas terrinhas deste país. Não porque a autarquia não queira, mas porque a vila está encaixada num vale.) Maria Helena, já que aí mora e tanto jeito tem para a fotografia, não quer praticar a sua arte e mostrar aos colegas e leitores o marramacho (que custou para cima de cinco mil contos) que é o ex-líbris de Odemira?

João Campos

1 Comments:

Blogger Maria Helena said...

Embora não trate tão causticamente o monumento, tentarei fotografá-lo para que os leitores julguem pour eux mêmes. Em Francês tem outro ... outro ... lá vai , 'cachet' ( Hi, hi, hi, hi ! )

11:37 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home