segunda-feira, fevereiro 14, 2005

S. Valentim:

Provavelmente, o segundo maior apelo ao consumismo do mundo ocicental. A seguir ao Natal, evidentemente.
E não me venham dizer que a irritação se deve ao facto de estar sozinho. Acho, simplesmente, que o dia dos namorados, assim como o dia da mãe, do pai, e mais do raio-que-parta, deve ser vivido todos os dias, um de cada vez. Os dias convencionados são uma indulgência barata. Nestes dias, temos por obrigação lembrar aquilo que nos restantes trezentos e sessenta e quatro (ou cinco), fazemos questão de nos não lembrar.
João Campos

1 Comments:

Blogger Carlos Barrocas said...

Idem! Ando a defender a extinção destes dias há já algum tempo. Pensava que estava sozinho, mas afinal não.

9:14 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home