segunda-feira, fevereiro 27, 2006

Duas notas

Ambas atrasadas, que não tenho estado muito presente na blogosfera (o cadeirao de Análise Económica, a óptima da leitura da revista Atlântico, um pouco de Dostoievsky, o clássico joguito de computador e, claro, o inevitável pecado mortal da preguiça, têm-me mantido afastado). A primeira vem via Acidental, sobre os dezanove anos da morte de José Afonso, provavelmente o melhor músico que a pátria lusa já conheceu. Sobre Zeca Afonso, eu e o camarada Carlos elaborámos uma biografia que, para além de até à data ter sido o nosso melhor trabalho académico, foi o trabalho que mais prazer me deu fazer enquanto estudante. Foi no dia 24 de Fevereiro. A segunda nota, também nota fúnebre, vem do A Origem das Espécies, e é sobre os dez anos do falecimento de Vergílio Ferreira, para mim o maior escritor português desde Eça, e, de todos, aquele que mais marcou a minha vida literária e a minha forma de reflectir. Ouvi algures que a Aparição iria sair do programa de Português do ensino secundário. Com o descalabro que atravessa o ensino público português, não me espanta. Mas entristece-me. Espero que seja apenas uma triste ideia que não saia de nenhu,a gaveta obscura do Ministério.
Sei que tenho andado away, mas não fossem os blogs e não me teria lembrado de ambas as efemérides. Acaso lhes foi dada a importância devida (ou apenas alguma importância) nos media nacionais?
João Campos

domingo, fevereiro 26, 2006

O feiticeiro Bento

O Sporting venceu ontem a Académica por 3-0 e alcançou a quinta vitória consecutiva.Conseguiu colocar também muito mais pressão sobre os adversários directos, Benfica e Porto, que se defrontam hoje. E seja qual for o resultado desse jogo, o Sporting sai sempre um pouco mais contente. Se o Benfica vencer, aproxima-se do FCP, ficando apenas a 2 pontos, com os portistas a terem ainda que se deslocar a Alvalade. Se o FCP ganhar vê o fosso para o rival da 2ª circular aumentar para seis pontos, tendo ainda a vantagem do confronto directo em caso de igualdade no final. Se empatarem...melhor ainda. Fica a depender apenas de si próprio para chegar ao primeiro lugar e continua a ver o SLB de longe.

Tudo isto depois de um início de campeonato conturbado, com derrotas inesperadas (não só em Portugal, mas também na Europa) e até algumas humilhantes (3-0 em Paços de Ferreira). O jogo contra a Académica na primeira volta marca o ponto de viragem. Foi depois da derrota com os estudantes que Peseiro foi demitido e entrou Paulo Bento, visto ao início como 'tapa-buracos', uma solução a prazo que poderá revelar-se na melhor escolha que o Sporting podia ter feito.

Com Paulo Bento, o Sporting ganhou consistência, vontade, garra; tudo aquilo que faltava nos tempos de Peseiro (nesta época, não está em causa o excelente trabalho da época passada).

Dando segurança e confiança a Ricardo, Bento fez com que o internacional português entrasse numa fase muito positiva, possivelmente a melhor desde que chegou ao Sporting.

A defesa ganhou rotinas. Finalmente com dois bons laterais (Abel e Caneira), as melhores contratações de Inverno dos clubes portugueses, pelo menos em termos de rendimento, e com uma dupla de centrais que se complementa (Polga e Tonel), o Sporting não sofre golos de bola corrida há 5 jogos. Recuperou o afastado Hugo e matou dois coelhos com uma cajadada ao enviar Beto para França: deu a oportunidade de jogar no estrangeiro a um jogador que perseguia esse objectivo há já quase 7 anos, e eliminou possiveis problemas de liderança no balneário.

O meio campo é agora muito mais combativo e produtivo. Custódio percebe que tem que trabalhar muito mais se quiser ser, algum dia, o melhor trinco português (porque tem qualidades para o ser, e até atingir outros patamares); Nani transformou-se na nova promessa do futebol leonino vindo das camadas jovens; Carlos Martins pratica um futebol muito mais racional e clarividente,sem nunca deixar de lado a entrega que sempre o caracterizou; Romagnoli começa a aparecer cada vez mais e sabe que tem que o fazer se quiser estar presente no Mundial deste ano;João Moutinho encontrou o seu lugar na equipa, ajudando cada vez mais a leva-la para a frente e conseguindo até marcar golos, algo que só começou este ano; Sá Pinto reencontrou a paixão de jogar à bola e parece querer deixar a sua marca no ultimo ano como profissional.

Mas foi na frente que Paulo Bento conseguiu as maiores vitórias. Depois do desentendimento com Liédson, retirou-o da equipa e deu uma oportunidade a Deivid, do qual muito mal se pensava em Alvalade. Deivid correspondeu, marcou golos, e Liédson percebeu que não é insubstituível. O castigo serviu para transmitir ao grupo que quem manda é o treinador. Serviu também para motivar o jogador, que, depois do regresso, resolveu o dérbi com o Benfica e marcou ontem um dos melhores golos desde que joga em Portugal, encostando-se a Nuno Gomes na lista de melhores marcadores. Pelo meio ainda renovou o contrato, acabando com uma 'novela' que durava desde o Verão.

Mais tarde, depois do regresso tardio das férias de Natal, Deivid e Polga sentiriam também a pesada mão disciplinadora de Bento, reforçando a sua imagem de líder perante os jogadores, algo que nunca aconteceu com Peseiro.

Conseguiu ainda encurtar o plantel, desfazendo-se de jogadores que nunca iriam ter oportunidades este ano (Semedo e Varela) e outros que destabilizavam a equipa ou não tinham um rendimento adequado a um clube como o Sporting (Beto e Wender).

É esta imagem de líder inabalável, forte, coeso e disciplinador que Paulo Bento impôs e que transformou o Sporting num candidato ao título depois de quase todos o terem morto e enterrado. Joga também a seu favor o facto de ter deixado o futebol há apenas 2 anos, tendo jogado ainda com alguns elementos do plantel e sabendo perfeitamente aquilo que deve dizer aos jogadores antes das partidas.

Em pouco mais de um mês ultrapassou Braga, Nacional e Benfica; aperta os calcanhares ao FCP e transformou o Sporting na equipa mais concretizadora do campeonato.

E depois da vitória de ontem pode sentar-se descansado no sofá, a ver o clássico SLB-FCP, sabendo que, independentemente do resultado, sai sempre a ganhar.

Carlos Barrocas

terça-feira, fevereiro 21, 2006

Notas de imprensa

Algures numa revista semanal:

"A Manuela Moura Guedes é uma espécie de Alberto João Jardim do jornalismo."

João Teago Figueiredo

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Notas de um breve apagão*

Mesmo com o quarteirão mergulhado na escuridão, as actividade das prostitutas não pára.

(*ou "as coisas que se vêem da minha janela")

João Campos

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Deste Lado do Espelho

O quêêê ?! A usar de ironia para exprimirem as vossas opiniões ?! Lá vai bomba ! Pereçam, infiéis ! FssssssssssssssssPuuuuuuuuuuum !!!

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Trabalho?

Queres tu dizer, Carlos, parabéns a todos pela sua falta de trabalho..!

João Campos

Melhor que nunca

Taxa de desemprego atinge 8%.

Depois de muita luta, de muitos sacrificios e até de algum sangue derramado, conseguimos pessoal!!A maior taxa de desemprego de sempre!!

Os meus parabéns a todos os envolvidos pelo seu belo trabalho.

Carlos Barrocas

segunda-feira, fevereiro 13, 2006

Primeiro sinal do apocalipse

Chelsea de Mourinho perde 3-0!

Qual choque de civilizações, ou de religiões ou raio que os parta!

Quando Mourinho perde por 3-0...aí sim devemos começar a preocupar-nos com o fim do mundo!

Carlos Barrocas

domingo, fevereiro 12, 2006

Deste Lado do Espelho

Lá vai bomba, João ! FSHHShshshshshshshshshspuuuuum !

Porque coloca em causa os dogmas das religiões cristãs:

Onde pára o Index quando dele precisamos? A quantidade de exemplares de O Código Da Vinci que os católicos portugueses, embalados com esta história dos cartoons, vão imolar numa pira ali para os lados da Praça do Comércio, vai dar para fazer sinais de fumo para Nova Iorque!

João Campos

Porque satiriza as religiões cristãs:


Onde já se viu? Colocar Cristo como apresentador de um programa idêntico ao Jerry Springer Show? Blasfémia! Fogueira com os hereges! South Park a arder!

João Campos

Porque satiriza as religiões cristãs:


Proíba-se imediatamente a venda, o aluguer e a posse de uma das melhores comédias de sempre: A Vida de Brian, dos inigualáveis Monty Python. Os muçulmanos até gostariam deste se não fosse pela cena final da brigada suicida...

João Campos

sábado, fevereiro 11, 2006

Deste Lado do Espelho

(Meu Deus, o blogue está tão quieto !) Está alguém em casa ?

quarta-feira, fevereiro 08, 2006

Libertem os cartoons

"Os cartoons: nove notas

1. É aceitável que os jornais publiquem opiniões «ofensivas». Todas as opiniões são potencialmente ofensivas. E só o politicamente correcto mais doentio ou o reaccionarismo mais infecto admitem que existam outros limites que não os consagrados na lei de imprensa e no código penal. As opiniões inadmissíveis são essencialmente as que caluniem ou ofendam de forma grave pessoas concretas, sobretudo se alegarem falsidades lesivas da sua integridade moral. Já as opiniões que ataquem ideias ou convicções são todas admissíveis, porque a liberdade de crítica e sátira (mesmo a mais selvagem) faz parte integrante do núcleo inalienável da liberdade.

2. Os cartoons sobre Maomé e os muçulmanos são sensatos e pertinentes? É uma questão de opinião. Uns serão inócuos, outros perspicazes e outros patetas. Mas os cartoons em causa não ultrapassaram nenhum dos limites da liberdade de expressão. O que é lamentável nesta polémica é que haja gente no Ocidente que discute mais afincadamente a sensatez dos cartoons do que a absoluta admissibilidade dos cartoons, como se a cautela fosse mais importasse que a liberdade.

3. As opiniões racistas, xenófobas ou quaisquer outras são admissíveis, desde que não incitem directamente à violência. Uma pessoa pode atacar nos termos mais violentos os católicos, os pretos, os árabes, os comunistas, os homossexuais, os conservadores e assim por diante. Algumas dessas opiniões são detestáveis e cheiram mal à légua. Mas a liberdade de imprensa é também a liberdade de exprimir opiniões detestáveis. É também a liberdade da estupidez e do lixo. O importante é lembrarmos que opiniões são opiniões, não são actos. Quando criminalizamos as opiniões (mesmo as mais detestáveis) estamos a demolir por dentro a nossa liberdade.

4. Podemos criticar, satirizar e atacar todas as ideias e convicções, incluindo as religiosas. É isso que define a liberdade. Quem se sente ofendido protesta, responde, escreve cartas, faz petições, organiza boicotes, exprime o seu desagrado por meios pacíficos. Contesta as opiniões, não contesta a liberdade de expressão.

5. As convicções e as leis de uma comunidade religiosa só vinculam os crentes dessa religião. Eu tenho direito a representar Maomé, a comer carne de porco, a trabalhar ao sábado e o mais que me apetecer. Assim como um muçulmano ou um judeu ou um ateu têm direito a não ligar nenhuma aos meus costumes e crenças e usos católicos.

6. Numa democracia, as pessoas não têm o direito de protestar com actos de violência. E o conceito de actos de violência inclui apelos directos ao homicídio (como os que ouvimos na boca de alguns muçulmanos ingleses).

7. Não há civilizações «superiores» em abstracto. Mas há sociedades organizadas de modo globalmente mais justo e mais decente. A Dinamarca (em 2006) é uma sociedade mais justa e mais decente do que o Irão (em 2006). Não numa abstracção «civilizacional» mas no concreto dos direitos, liberdades e garantias, do nível de vida e das condições necessárias à dignidade humana. Os ocidentais que dizem o contrário disto estão em simples denegação sectária. Ninguém prefere viver no Irão do que na Dinamarca. É apenas nesse sentido que a Dinamarca é «superior» ao Irão. Mas esse sentido não é coisa de somenos.

8. No Ocidente, valem as regras do Ocidente. As regras que estão plasmadas nas nossas constituições, na nossa legislação e nos nossos costumes. Quem não aceita essas regras básicas - quem acha nomeadamente que pode apelar ao homicídio por delito de opinião - não tem lugar nas nossas comunidades. Temos o dever de tolerar opiniões intolerantes, mas não temos o direito de tolerar actos intolerantes e criminosos.

9. O conflito entre civilizações não deve ser fomentado. A abdicação também não."

Concordo com os 3143 caracteres deste post do Pedro Mexia no Estado Civil.

João Teago Figueiredo

segunda-feira, fevereiro 06, 2006

Um eléctrico chamado desejo

A última 'pergunta pertinente' de Johnny lembra-me o início do filme em título. Blanche Dubois, a heroína, diz mais ou menos: 'they told me to catch a tramway named Desire and then leave at Stills ( nome de um cemitério ). Os nomes são metáforas do Inferno por que a desgraçada vai passar´. 'Um eléctrico chamado desejo', com Vivien Leigh e Marlon Brando, nos principais papéis. Num cinema, perto de si ! :)
Espero que não seja o caso de Johnny.
Cá para mim, o rapaz do Irão quer uma bomba para brincar ao 'se não fazem o que eu digo, carrego no botão. Olhem que eu carrego mesmo, kéke pensam ? Chateiem-me que logo vêem !'
O mundo fica a saber que, quando a malta quiser desenhar, deverá escolher temas 'inocentes': paisagens, animais, crianças, gajas nuas ... Quanto a homens com turbantes na cabeça, demais a mais, em forma de bomba, o melhor é pensarem duas mil vezes, hem ! se não, lá vai bomba. Que conveniente é ter um pretexto para 'animar a malta' ! (deixa-me lá calar, se não, ainda me cai algum petardo na sopa. Livra !)

Nada a fazer

Como poderei eu tornar-me num optimista quando todos os dias, às sete e vinte da manhã, apanho um autocarro cujo destino final é "cemitério de Benfica"?

João Campos

domingo, fevereiro 05, 2006

Pergunta pertinente II

A pergunta fundamental na questão nuclear do Irão é ingénua, mas a sua (óbvia) resposta poderia ser muito interessante: para que raio quer o Irão, afinal, arsenal nuclear?

João Campos

Pergunta pertinente

Se um jornal de um qualquer país muçulmano publicasse doze cartoons a satirizar Cristo, teríamos um incidente diplomático de escala quase mundial?

João Campos

quinta-feira, fevereiro 02, 2006

Lincando

A Carla Hilário Quevedo adverte na sua crónica na revista Atlântico: "nunca lincar [nunca vou conseguir adaptar estes neologismos] blogues com caixas de comentários; ou seja, mais de metade da blogosfera lusa. Só para começar." Compreende-se. Na blogosfera, as caixas de comentários, uma ferramenta ideal para promover o debate de ideias acerca de cada post, acabam por se tornar, não raras vezes, num ninho de cobras onde o insulto fácil, sob o manto velado do anonimato, acaba por abafar os comentários verdadeiramente construtivos. Tem sido essa a razão pela qual inúmeros bloggers fecharam as caixas de comentários. No entanto, não são os comentários que mais dizem sobre os blogs e respectivos bloggers. Os sitemeters (e mecanismos afins) dizem mais, muito mais. Percebo a curiosidade acerca do número de visitantes, da audiência. Mas desvalorizo a sua importância. Nos dois blogs em que escrevo, não existe sitemeter. Conheço pessoalmente alguns leitores (e comentadores habituais); outros, apenas conheço do meio virtual. Sei de leitores não comentadores que regularmente nos visitam. Quanto aos outros, que nos lêem mas não o revelam, apenas deixo um muito obrigado. Não preciso de saber quantas pessoas lêem os meus posts - a minha personalidade passa muito bem sem incorporar mais um traço indelével de narcisismo (ou uma eventual decepção).

João Campos

Menos 'prós' que 'contras'

Apesar de poder parecer que me dedico afincada e incessantemente à critica negativa, pura e simples, dos fenómenos mundanos que me rodeiam, de facto não é essa a intenção que me guia ao pensar nestes posts. Contudo não posso deixar de depositar aqui neste espaço uma ideia que me ocorreu ao ver o triste panorama do mundo televisivo luso.
Estava eu muito bem sentadinho, de perna esticada a tentar expurgar toda a densidade de cansaço que se tinha acumulado na carcaça. Segunda-feira à noite, dez e picos, começa um dos programas a que assisto quase religiosamente. “Prós e contras” é o seu nome. Reparo logo de seguida que o tema do dito programa é a evolução económica portuguesa e a sustentabilidade do sistema actual de segurança social, tema sobre o qual me tinha vindo a ocupar numa das cadeiras da licenciatura em que estou. Por esse facto e pela exigência que a própria faculdade nos obriga, sentia que “estavam a falar da minha área”. Por isso senti, ainda de forma mais gritante, a evidente falta de preparação da moderadora do programa que, acho eu, envergonha a classe jornalística como um todo. Não é aceitável que sendo um programa de suposto “serviço público”, em horário nobre e com uma audiência que desejo significativa não se exija uma preparação de nível mínimo para que o moderador desempenhe um papel que não se cinja meramente ao figurativo.
Foi num programa onde a matéria em análise é a aquela em que os meus conhecimentos são maiores, que senti tão grave falta de preparação e até mesmo ignorância activa (materializada em falacias abundantes e em observações erróneas, rapidamente corrigidas pelos convidados em estúdio) porventura isso também acontecerá em outros temas em que a minha ignorância se manifesta mais violentamente, como num qualquer futuro programa onde se discuta a importancia de cozinhar bacalhau ‘à braz’ em vez de o fazer na vertente ‘à lagareiro’. Nessa altura até pode dizer que bacalhau é um mamífero!

João Teago Figueiredo

quarta-feira, fevereiro 01, 2006

Leitura recomendada:

A revista Atlântico.

João Campos

A neve não veio de Kyoto

E essa é a questão, Maria Helena. Não é Kyoto, ou o desrespeito por ele, que são os responsáveis pelas alterações climatéricas do presente. Kyoto, na melhor das hipóteses, será uma forma de tentar abrandar um processo já de si irreversível. A questão é que o protocolo, para além de não ser reconhecido por metade da comunidade científica (que considera as suas premissas não válidas), é mais político do que ecológico. Para a França, por exemplo, seria extremamente conveniente que os Estados Unidos se comprometessem a reduzir as suas emissões de gases. Mas os Estados Unidos não são o problema. Pensemos nas potências que estão a emergir no novo contexto político e económico. Não seria mais fácil e lógico aplicar nesses países tecnologias industriais menos poluentes? Até porque a Índia e a China são os mais populosos países do mundo. Os Estados Unidos são um excelente bode expiatório, sobretudo para a mentalidade bacoca da Europa. Já vão sendo horas de se acordar para a vida.
João Campos